Fraternidade São Francisco de Assis

Fraternidade de São Francisco de Assis

Rua Costa Ferraz, 38, Rio Comprido, RJ
Tel: 2273-9761 / 2273-8387
e-mail: ofs.riocomprido@hotmail.com

Erigida Canonicamente em 1º de julho de 1967



Nossos encontros fraternos acontecem nos 2º e 4º domingos do mês, de 08:30 às 12:00 horas. Nos reunimos em nossa Sede após a Missa das 08:30 nos 2º domingos e nos 4º domingos nos reunimos em nossa Sede às 08:30 e às 11 horas temos a Santa Missa.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Grande encontro em Aparecida reúne Capitulares e Fraternidade nacional da OFS


Um dia de celebrações e partilha. Foi assim que, bem cedo, caravanas das fraternidades da Ordem Franciscana Secular de todo o Brasil seguiram para Aparecida, onde teve início, às 10 horas, um encontro histórico que reuniu a Fraternidade Internacional (112 países), a Fraternidade Nacional da OFS e a Juventude Franciscana do Brasil (Jufra). O evento marcou pelo encontro dos irmãos e irmãs da OFS do Brasil com a Ministra Geral da OFS, Encarnación del Pozo, e os representantes de 112 fraternidades de todo mundo presentes no Capítulo Geral da OFS, que teve início neste sábado com uma celebração presidida pelo Cardeal Dom Odilo Scherer. Ao meio-dia, todos se dirigiram para a Basílica, onde participaram de Missa de Ação de Graças, presidida pelo ex-Provincial da Imaculada Conceição, D. Caetano Ferrari, bispo de Bauru. À tarde, cada fraternidade retornou para suas casas e os capitulares fizeram mais um encontro, desta vez com as Irmãs Clarissas, na Fazenda Esperança, Guaratinguetá, celebrando os 800 anos de fundação da Segunda Ordem.
Como disse Amando Trujillo, presidente da Conferência dos Assistentes Espirituais Gerais da OFS e da Jufra, os capitulares saíram mais fortalecidos de Aparecida e Guaratinguetá para trabalhar "arduamente no Capítulo", até o dia 29, data do seu encerramento. "Parabenizamos a todos por esse testemunho de vida cristã e franciscana nesta manhã e nos animamos a perseverar e a crescer na resposta de fé, pois o povo de Deus espera muito da família franciscana, porque muito temos recebido do Senhor. Voltaremos mais fortes para o Capítulo", disse.
O encontro marcou pela expressiva presença da Primeira Ordem. Frades Menores, Capuchinhos e Conventuais se juntaram aos irmãos e irmãs da OFS e aos jovens da Jufra para celebrar este momento. Entre eles, os assistentes do Brasil, Frei Almir Guimarães, da OFS, e Frei Miguel da Cruz, da Jufra. Já Frei Alberto Beckhäuser, que durante 20 anos acompanhou a OFS, estava feliz de ver tantos irmãos da Primeira Ordem reunidos com a Terceira Ordem. O franciscano Dom Caetano presidiu a celebração e teve como concelebrantes os bispos Dom Fernando Mazon, de Piracicaba, e Dom João Mamede, de Umuarama (PR). Mas como ninguém é de ferro, o alimento material veio de forma muito fraterna e acolhedora do Seminário Frei Galvão, em Guaratinguetá. O guardião Frei Daniel Dellandrea mobilizou uma equipe de religiosas, seminaristas e funcionários para oferecer um grande almoço a mais de 200 pessoas.

A Ministra Geral
Como era de se esperar, a Ministra Geral, a espanhola Encarnación del Pozo, foi ovacionada na chegada ao anfiteatro em frente à Basílica de Aparecida. Esta é a terceira vez que vem ao Brasil, mas foi a primeira vez que pisou no solo brasileiro para presidir um Capítulo Geral da OFS. A representante dos países de língua portuguesa no Conselho Internacional da OFS, Maria Aparecida Crepaldi, fez as apresentações dos conselheiros internacionais e da Ministra Geral e o ministro nacional da OFS, Antonio Benedito de Jesus da Silva Bitencourt, acolheu a todos e agradeceu pela resposta das fraternidades ao chamado de estarem presentes em Aparecida.
Encarnación foi reeleita para presidência do Conselho Internacional da OFS em 2008. Para ela, este encontro foi "um momento de graça que o Senhor nos ofereceu para trocarmos gestos de verdadeiro amor fraternal, para orarmos juntos e compartilharmos este momento transcendente de nossa vida cristã e franciscana: a Eucaristia".
Para a Ministra Geral, a expectativa diante do Capítulo Geral que se inicia é de "uma comunhão fraterna para nos responsabilizarmos da missão que primeiro temos de nos evangelizarmos para depois ajudar a evangelizar nossos irmãos e irãs em todo o mundo". Encarnación se referia ao tema central do Capítulo: "Evangelizados para Evangelizar". "Esse tema pede que todos devemos buscar uma conversão verdadeira ao Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. É importante tomar este aspecto de nossa vida com muita seriedade, com o coração apaixonado pelo Evangelho e por Nosso Senhor, para que possamos ser para o mundo como um grão de mostarda que se torna uma grande árvore; ser luz para o mundo; ser sal para dar sabor à sociedade de nosso tempo".
Segundo a Ministra Geral, a OFS precisa ser uma presença profética, assim como a Jufra. "Para que nós não estejamos satisfeitos com nossas atitudes, com nossas obras, porque sempre é possível dar um passo adiante. Um passo que rompa com nosso imobilismo. Devemos estar em movimento contínuo, como nossa Mãe. Ser profeta é estar sempre em movimento", admoestou.
Para ela, as ferramentas que os franciscanos (as) seculares têm em suas mãos para difundir o Reino de Deus são simples. "A fé e o amor, a renúncia, a misericórdia a todas as pessoas que estão próximas, a conversão, o respeito mútuo, a aceitação à diversidade, a correção fraterna, o desempenho verdadeiramente apaixonado por nossas obrigações. Tudo isso acrescido de alegria e entusiasmo, como é próprio do nosso ser franciscano", acrescentou.
E completou citando Francisco de Assis e Santa Clara como "exemplos luminosos" para guiar os franciscanos seculares no caminho até Nosso Pai. "Eles são modelos e mestres para nos preparar e nos lançar com conversão a uma ação decidida pelo Evangelho", completou.
Segundo Encarnación, a OFS tem hoje no mundo cerca de 300 mil membros, e vive uma situação contrastante: na Europa está em crise e no sudeste asiático, especialmente na África, cresce a passos largos. "É uma transformação muito intensa, mas temos que ser prudentes e levar em conta essas culturas", observou.

O franciscano D. Caetano
D. Caetano lembrou que, a exemplo de Francisco de Assis, os Capítulares buscaram a intercessão da Mãe de Deus para o bom êxito do Capítulo. "Com Maria, queremos entrar em comunhão convosco para o sucesso do Capítulo Geral. Tenho alegria de ser portador da CNBB, e seu presidente Dom Raymundo Damasceno, arcebispo de Aparecida e terceiro franciscano desde os tempos do Seminário que fez em Mariana, e também de seu vice-presidente, Dom José Belizário, arcebispo de São Luís, e de seu secretário geral, Dom Leonardo Steiner, também franciscanos. Em nome deste episcopado, trago as palavras de boas vindas a Aparecida", informou.
Na sua homilia, falou do amor, o mandamento maior do Evangelho deste domingo. "Refletindo, eu vos pergunto: Não está aqui o essencial da vida cristã? O amor a Deus e ao próximo, preferencialmente aos pobres? Não é este o segredo e o legado de São Francisco e Santa Clara? Não nos mostraram eles que o Amor não era Amado? Seja em relação a Deus e aos pobres e que a Igreja precisava ser reconstruída por dentro, no fundo, no amor, para ser a casa acolhedora de todos homens e mulheres? Atualizando às nossas necessidades, não é este o apelo num mundo contrastante e paradoxal em que vivemos, sem Deus, secular, ateu entre as classes superiores desta sociedade e de uma profunda interioridade religiosa entre as classes inferiores, dos pobres e abandonados, que se deixam seduzir por falsos profetas nesta grande feira de igrejas e religiões, ao menos na América Latina?".
D. Caetano citou João Paulo II para lembrar a frase que se tornou histórica quando esteve no Monte Alverne: "Francisco, o mundo precisa de Ti". E o bispo de Bauru perguntou: "Não estamos precisando de Francisco? Precisamos, então, hoje, dos franciscanos e franciscanas para nos ajudar a amar a Deus e ao próximo e, com amor preferencial aos pobres, para nos auxiliarem a vivermos em comunhão e multiplicarmos pequenas comunidades de vida e oração entre as nossas extensas e populosas comunidades eclesiais e a ser Igreja evangelizadora e missionária ao serviço da vida plena para todos", completou.

A presença da Jufra
O secretário nacional da Jufra, Alex Batos, deu sua mensagem aos capitulares e falou da alegria dos brasileiros em recebê-los para um Capítulo Geral que se realiza pela primeira vez na América Latina. Falou da grande expectativa que cerca os jovens, com os preparativos para a Jornada Mundial da Juventude, em 2013, e com a celebração dos 40 anos da Jufra do Brasil, no próximo final de semana, em Aparecida. "De norte a sul, neste país, tem uma juventude franciscana que vibra, que se alegra, que não é o futuro da OFS, de vocês, mas é presença na vida da OFS", enfatizou, convidando os capitulares para conhecer "a nossa terra e o nosso povo, que tanto ama Francisco e Clara".

Fonte: Franciscanos.org
Autor: Moacir Beggo

Evangelho do dia - 27.10.2011





Dia Mundial de Oração pela Paz
Lc 13,31-35
Jesus vai até o fim 


-* 31 Nesse momento, alguns fariseus se aproximaram, e disseram a Jesus: «Deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar.» 32 Jesus disse: «Vão dizer a essa raposa: eu expulso demônios, e faço curas hoje e amanhã; e no terceiro dia terminarei o meu trabalho. 33 Entretanto preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém.»

O julgamento sobre Jerusalém -
* 34 «Jerusalém, Jerusalém, você que mata os profetas e apedreja os que lhe foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir seus filhos, como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas você não quis! 35 Eis que a casa de vocês ficará abandonada. Eu lhes digo: vocês não me verão mais, até que chegue o tempo em que vocês mesmos dirão: Bendito aquele que vem em nome do Senhor.»

* 31-33: A atividade de Jesus provoca temor e reação das autoridades. Jesus não as teme, e continua a realizar a missão que liberta as pessoas e ao mesmo tempo vai levá-lo à morte.
* 34-35: Cf. nota em Mt 23,37-39.[ * 37-39: Jerusalém personifica o sistema que se fechou em si mesmo, e recusou a novidade trazida por Jesus. Por isso, seu destino já está traçado: em Jerusalém Jesus vai ser morto, e sua morte trará o julgamento definitivo sobre ela.]

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Entrevista Denize Marum Gusmão

"A espiritualidade franciscana é completa em todos os sentidos"

http://www.franciscanos.org.br/v3/carisma/ofs/ofscap/06.php

Evangelho do dia - 17.10.2011





Lc 12,13-21
A vida é dom de Deus 

-* 13 Do meio da multidão, alguém disse a Jesus: «Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo.» 14 Jesus respondeu: «Homem, quem foi que me encarregou de julgar ou dividir os bens entre vocês?» 15 Depois Jesus falou a todos: «Atenção! Tenham cuidado com qualquer tipo de ganância. Porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a sua vida não depende de seus bens.» 16 E contou-lhes uma parábola: «A terra de um homem rico deu uma grande colheita. 17 E o homem pensou: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’. 18 Então resolveu: ‘Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir outros maiores; e neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. 19 Então poderei dizer a mim mesmo: meu caro, você possui um bom estoque, uma reserva para muitos anos; descanse, coma e beba, alegre-se!’ 20 Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Nesta mesma noite você vai ter que devolver a sua vida. E as coisas que você preparou, para quem vão ficar?’ 21 Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico para Deus.»

* 13-21: No caminho da vida, o homem depara com o problema das riquezas. Jesus mostra que é idiotice acumular bens para assegurar a própria vida. Só Deus pode dar ao homem a riqueza que é a própria vida.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Salve Francisco!!! Dia de São Francisco de Assis


Hoje queridos irmãos, é dia de Nosso Pai Seráfico São Francisco, para muitos um santo revolucionário, para outros um santo que falava com os animais e amava toda criação, para outros um santo homem que conseguiu chegar a uma plenitude máxima de intimidade com o Senhor, alguns o chamam de "Segundo Cristo" por tamanha proximidade no modo de vida com o Cristo. Mas para mim nosso querido Pai Seráfico aprendeu somente uma simples coisa: ESCUTAR O SENHOR.

Sim irmãos, São Francisco esvaziou-se de si mesmo e fez a vontade Daquele que tudo pode, como Maria que ouviu o anuncio do anjo onde ela deveria dar a luz Aquele que ia restaurar  a salvação a todos nós, ele ouviu o anuncio feito no crucifixo de São Damião que deveria restaurar a Igreja e aceitou sem questionar (aqui podemos ver a obediência Franciscana) e partiu para o mundo para fazer a vontade de Deus e até o fim de sua vida ele somente ouvia ao Espírito de Deus  e colocava em prática, e apesar de ter feito tantas coisas no final de sua vida falou que deveriamos fazer mais pois nao tinha feito nada ou quase nada.

O interessante é que o hoje o Santo Evangelho fala sobre essa questão de ouvir, Marta preocupada com seus afazeres e Maria sentou-se ao pe de Cristo e ficou ouvindo (Mais importante do que fazer as coisas, é fazê-las de modo novo. Para isso, é preciso ouvir a palavra de Jesus, que mostra o que fazer e como fazer), que neste dia tão especial para nós franciscanos possamos aprender a ouvir mais que o Senhor tem a nos dizer e pedir que nosso Pai Seráfico nos direcione para a perfeita alegria em nossas vidas.

PAZ E BEM!

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Festa São Francisco de Assis 2011 - Paróquia São Francisco de Assis - Rio Comprido



Evangelho do dia - 03.10.2011





Lc 10,25-37
O amor é prática concreta 

-* 25 Um especialista em leis se levantou, e, para tentar Jesus perguntou: «Mestre, o que devo fazer para receber em herança a vida eterna?» 26 Jesus lhe disse: «O que é que está escrito na Lei? Como você lê?» 27 Ele então respondeu: «Ame o Senhor, seu Deus, com todo o seu coração, com toda a sua alma, com toda a sua força e com toda a sua mente; e ao seu próximo como a si mesmo.» 28 Jesus lhe disse: «Você respondeu certo. Faça isso, e viverá!» 29 Mas o especialista em leis, querendo se justificar, disse a Jesus: «E quem é o meu próximo?» 30 Jesus respondeu: «Um homem ia descendo de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos de assaltantes, que lhe arrancaram tudo, e o espancaram. Depois foram embora, e o deixaram quase morto. 31 Por acaso um sacerdote estava descendo por aquele caminho; quando viu o homem, passou adiante, pelo outro lado. 32 O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu, e passou adiante, pelo outro lado. 33 Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu, e teve compaixão. 34 Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal, e o levou a uma pensão, onde cuidou dele. 35 No dia seguinte, pegou duas moedas de prata, e as entregou ao dono da pensão, recomendando: ‘Tome conta dele. Quando eu voltar, vou pagar o que ele tiver gasto a mais’.» E Jesus perguntou: 36 «Na sua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?» 37 O especialista em leis respondeu: «Aquele que praticou misericórdia para com ele.» Então Jesus lhe disse: «Vá, e faça a mesma coisa.»

* 25-37: O primeiro a colocar obstáculos no caminho de Jesus é um teólogo. Este sabe que o amor total a Deus e ao próximo é que leva à vida. Mas, não basta saber. É preciso amar concretamente. A parábola do samaritano mostra que o próximo é quem se aproxima do outro para lhe dar uma resposta às necessidades. Nessa tarefa prática, o amor não leva em conta barreiras de raça, religião, nação ou classe social. O próximo é aquele que eu encontro no meu caminho. O legista estabelecia limites para o amor: «Quem é o meu próximo?» Jesus muda a pergunta: «O que você faz para se tornar próximo do outro?»