Fraternidade São Francisco de Assis

Fraternidade de São Francisco de Assis

Rua Costa Ferraz, 38, Rio Comprido, RJ
Tel: 2273-9761 / 2273-8387
e-mail: ofs.riocomprido@hotmail.com

Erigida Canonicamente em 1º de julho de 1967



Nossos encontros fraternos acontecem nos 2º e 4º domingos do mês, de 08:30 às 12:00 horas. Nos reunimos em nossa Sede após a Missa das 08:30 nos 2º domingos e nos 4º domingos nos reunimos em nossa Sede às 08:30 e às 11 horas temos a Santa Missa.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Evangelho do dia - 31.03.2011

Lc 11,14-23
Jesus é mais forte do que Satanás
 
-* 14 Jesus estava expulsando um demônio que era mudo. Quando o demônio saiu, o mudo começou a falar, e as multidões ficaram admiradas. 15 Mas alguns disseram: «É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios.» 16 Outros, para tentar Jesus, pediram-lhe um sinal do céu. 17 Mas, conhecendo o pensamento deles, Jesus disse: «Todo reino dividido em grupos que lutam entre si, será destruído; e uma casa cairá sobre outra. 18 Ora, se até Satanás está dividido contra si mesmo, como o seu reino poderá sobreviver? Vocês dizem que é por Belzebu que eu expulso os demônios. 19 Se é através de Belzebu que eu expulso os demônios, através de quem os filhos de vocês expulsam os demônios? Por isso, eles mesmos hão de julgar vocês. 20 Mas, se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então o Reino de Deus chegou para vocês. 21 Quando um homem forte e bem armado guarda a sua casa, os bens dele estão em segurança. 22 Mas, quando chega um homem mais forte do que ele e o vence, arranca-lhe a armadura na qual ele confiava, e reparte o que roubou. 23 Quem não está comigo, está contra mim. E quem não recolhe comigo, dispersa.»

* 14-23: A cura do endemoninhado mostra que a ação de Jesus consiste em libertar o homem da alienação que o impede de falar. A ação de Jesus testemunha a chegada do Reino de Deus, pois para vencer Satanás é preciso ser mais forte do que ele. Mas Jesus é, ao mesmo tempo, a presença da salvação e do julgamento: quem não age com Jesus, torna-se adversário.

Poetizar


Poesia é o fascínio que protagoniza o Verbo
na recriação do Belo.

O Belo é um influxo do Bem.

O Bem é a plenitude da Paz.

A Paz é a salvação do Universo.

O Universo é Tudo...

E Tudo se expressa na linguagem ubérrima da Criação!...

Poetizar é discorrer graciosamente
sobre o Óbvio e sobre o Ômega, decantando
o roteiro e seus inenarráveis cenários.

Para Poucas Palavras:
Poeta Pretende Protagonizar Protagonismos
Protagonizadores e Protagonizados ou Protagonizáveis!...

Provera Pai!...

Ascese

Dos tangíveis e pródigos pecados
os superáveis, ditos veniais,
cumulam-se à pletora, se tomados
aos incautos e frívolos mortais.

Ao precisar os erros sofismados,
assaz falaciosos, viscerais,
os seres se compungem, autuados
por dolos impassíveis, maquinais.

Não basta a jardinagem das virtudes,
vivenciar da penitência a palma,
honrar os dons em prol da humanidade...

A culpa escusa as vãs solicitudes
a quem não se apegar de corpo e alma
à ingente indulgência da Verdade!

quarta-feira, 30 de março de 2011

10 de abril - III Jornada Franciscana da FFB RJ/ES

Caro irmão e irmã, Paz e Bem!

Que toda a bondade do Criador esteja em você e em sua fraternidade.

Com grande alegria reativamos em 2010 a FFB – Regional RJ-ES, depois de algumas reuniões preparatórias como foi do conhecimento de muitos, realizamos duas Jornadas Franciscanas. A experiência foi maravilhosa. Uma grande oportunidade de crescimento intelectual, partilha de experiência e revigoramento da caminhada. Sentimo-nos enriquecidos (as) como família com a presença de diversas Congregações Religiosas, OFM, OFM Cap, OFM Conv e OFS, fato que nos motivou e nos programarmos ainda melhor durante este ano de 2011.

Convidamos você para a III Jornada Franciscana, dia 10 de abril de 2011. Uma excelente oportunidade para refletirmos o sim da profissão franciscana que precisa sempre de novo ser revista em sua preparação e no rito de sua realização.

Tema: Santa Clara de Assis e de hoje: Caminho de unidade.

Lema: Vida vivida em função do Amor.



10 de abril de 2011

08:00 – Chegada e acolhida

08:30 – Acolhida e Oração - (responsável OFS – Fraternidade Nossa Senhora das Graças, São Gonçalo).

08:50 – Palavra da coordenadora regional da FFB (Ir. Aparecida – Irmã Franciscana de Dillingen).

09:00 – Palestra “Tema: Santa Clara de Assis e de hoje: Caminho de unidade. Lema: Vida vivida em função do amor.
Daisy Martins Ferreira, ofs. (Coordenadora Regional de Formação) e Luiz Alberto Vianna, ofs. (Ministro da Fraternidade do Sagrado Coração de Jesus / Petrópolis)

10:00 – Café / lanche (partilhado).

10:30 – Debate do tema da palestra em plenário.

11:30 – Missa (responsáveis pela liturgia: Irmãs Franciscanas Alcantarinas).

13:00 – Almoço partilhado (Confraternização e encerramento).

Local: Colégio Nossa Senhora das Graças.
Estrada do Pacheco, 216 – Lagoinha – São Gonçalo , Cep – 24732570 - 000
Tel.: 21 37105633 (Como chegar: pegar o ônibus Santa Isabel, em frente à estação Leopoldina descer no Colégio das freiras.)

* * * *

Agradecemos às Irmãs do Sagrado Coração de Jesus que gentilmente nos ofereceram o espaço.
Pedimos a todos que levem lanche e almoço pra ser partilhado e uma contribuição para despesas do Regional da FFB.
Qualquer informação entrem em contato por email: .
Cel: 21 8772-8755 ou 21 2201-0164. Falar com Ir. Marly

FFB (Família Franciscana do Brasil) - Regional RJ-ES

Evangelho do dia - 30.03.2011

Mt 5,17-19
A lei e a justiça 
 
-* 17 «Não pensem que eu vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim abolir, mas dar-lhes pleno cumprimento. 18 Eu garanto a vocês: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem sequer uma letra ou vírgula serão tiradas da Lei, sem que tudo aconteça. 19 Portanto, quem desobedecer a um só desses mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazer o mesmo, será considerado o menor no Reino do Céu. Por outro lado, quem os praticar e ensinar, será considerado grande no Reino do Céu.

* 17-20: A lei não deve ser observada simplesmente por ser lei, mas por aquilo que ela realiza de justiça. Cumprir a lei fielmente não significa subdividi-la em observâncias minuciosas, criando uma burocracia escravizante; significa, isto sim, buscar nela inspiração para a justiça e a misericórdia, a fim de que o homem tenha vida e relações mais fraternas. Em 5,21-48, Mateus apresenta cinco exemplos, para mostrar como é que uma lei deve ser entendida.

domingo, 27 de março de 2011

Evangelho do dia - 27.03.2011

Jo 4, 5-42
Jesus sacia a sede do homem
 
Chegou, então, a uma cidade da Samaria chamada Sicar, perto do campo que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Aí ficava a fonte de Jacó. Cansado da viagem, Jesus sentou-se junto à fonte. Era quase meio-dia.
7 Então chegou uma mulher da Samaria para tirar água. Jesus lhe pediu: «Dê-me de beber.» 8 (Os discípulos tinham ido à cidade para comprar mantimentos). 9 A samaritana perguntou: «Como é que tu, sendo judeu, pedes de beber a mim, que sou samaritana?» (De fato, os judeus não se dão bem com os samaritanos). 10 Jesus respondeu: «Se você conhecesse o dom de Deus, e quem lhe está pedindo de beber, você é que lhe pediria. E ele daria a você água viva.»

11 A mulher disse a Jesus: «Senhor, não tens um balde, e o poço é fundo. De onde vais tirar a água viva? 12 Certamente não pretendes ser maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu este poço, e do qual ele bebeu junto com seus filhos e animais!» 13 Jesus respondeu: «Quem bebe desta água vai ter sede de novo. 14 Mas aquele que beber a água que eu vou dar, esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe darei, vai se tornar dentro dele uma fonte de água que jorra para a vida eterna.» 15 A mulher disse a Jesus: «Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede, nem precise vir aqui para tirar.»

A verdadeira religião sai de dentro do homem -
* 16 Jesus disse à samaritana: «Vá chamar o seu marido e volte aqui.» 17 A mulher respondeu: «Eu não tenho marido.» Jesus disse: «Você tem razão ao dizer que não tem marido. 18 De fato, você teve cinco maridos. E o homem que você tem agora, não é seu marido. Nisso você falou a verdade.» 19 A mulher então disse a Jesus: «Senhor, vejo que és profeta! 20 Os nossos pais adoraram a Deus nesta montanha. E vocês judeus dizem que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar.»

21 Jesus disse: «Mulher, acredite em mim. Está chegando a hora, em que não adorarão o Pai, nem sobre esta montanha nem em Jerusalém. 22 Vocês adoram o que não conhecem, nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. 23 Mas está chegando a hora, e é agora, em que os verdadeiros adoradores vão adorar o Pai em espírito e verdade. Porque são estes os adoradores que o Pai procura. 24 Deus é espírito, e aqueles que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade.» 25 A mulher disse a Jesus: «Eu sei que vai chegar um Messias (aquele que se chama Cristo); e quando chegar, ele nos vai mostrar todas as coisas.» 26 Jesus disse: «Esse Messias sou eu, que estou falando com você.»
Os discípulos continuam a missão de Jesus -* 27 Nesse momento, os discípulos de Jesus chegaram. E ficaram admirados de ver Jesus falando com uma mulher, mas ninguém perguntou o que ele queria, ou por que ele estava conversando com a mulher. 28 Então a mulher deixou o balde, foi para a cidade e disse para as pessoas: 29 «Venham ver um homem que me disse tudo o que eu fiz. Será que ele não é o Messias?» 30 O pessoal saiu da cidade e foi ao encontro de Jesus.

31 Enquanto isso, os discípulos insistiam com Jesus, dizendo: «Mestre, come alguma coisa.» 32 Jesus disse: «Eu tenho um alimento para comer, que vocês não conhecem.» 33 Os discípulos comentavam: «Será que alguém trouxe alguma coisa para ele comer?» 34 Jesus disse: «O meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra. 35 Vocês não dizem que faltam quatro meses para a colheita? Pois eu digo a vocês: ergam os olhos e olhem os campos: já estão dourados para a colheita. 36 Aquele que colhe, recebe desde já o salário, e recolhe fruto para a vida eterna; desse modo, aquele que semeia se alegra junto com aquele que colhe. 37 Na verdade é como diz o provérbio: ‘Um semeia e outro colhe’. 38 Eu enviei vocês para colher aquilo que vocês não trabalharam. Outros trabalharam, e vocês entraram no trabalho deles.»

O encontro com a palavra de Jesus produz a verdadeira fé
-* 39 Muitos samaritanos dessa cidade acreditaram em Jesus, por causa do testemunho que a mulher tinha dado. «Ele me disse tudo o que eu fiz.» 40 Os samaritanos então foram ao encontro de Jesus e lhe pediram que ficasse com eles. E Jesus ficou aí dois dias. 41 Muitas outras pessoas acreditaram em Jesus ao ouvir sua palavra. 42 E diziam à mulher: «Já não acreditamos por causa daquilo que você disse. Agora, nós mesmos ouvimos e sabemos que este é, de fato, o salvador do mundo.»

* 4,1-15: Conversando com uma mulher que era samaritana, Jesus supera os preconceitos de raça e as discriminações sociais. Como qualquer pessoa, essa mulher tem sede de vida. Todos buscam algo que lhes mate a sede, mas encontram apenas águas paradas. Jesus traz água viva corrente e faz com que a fonte brote de dentro de cada um.
* 16-26: Enquanto os judeus adoravam a Deus no templo de Jerusalém, os samaritanos o adoravam no templo do monte Garizim. Jesus supera o nacionalismo religioso, mostrando que Deus quer ser adorado na própria dimensão da vida humana. A própria vida, dedicada ao bem dos outros, como a de Jesus, é o verdadeiro culto a Deus, a adoração em espírito e verdade. Como Pai, Deus está presente na família humana e não quer que os homens separem religião e vida.
* 27-38: Com sua palavra e ação, Jesus realiza a obra do semeador. Todos os que fazem a experiência de Jesus partem para anunciá-lo, como a samaritana, provocando a vinda do povo. A vontade do Pai é reunir a humanidade em torno de Jesus, e cabe aos discípulos continuar essa tarefa, iniciada pelo próprio Jesus.
* 39-42: Os judeus se consideravam escolhidos por Deus, mas não compreenderam e não aceitaram a mensagem de Jesus, e até o obrigaram a sair da Judéia (4,1-3). Os samaritanos, que eram considerados como povo marginalizado e herege, acolheram Jesus como o Salvador do mundo.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Evangelho do dia - 25.03.2011

Anunciação do Senhor
Lc 1,26-38
O Messias vai chegar
 
* 26 No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia chamada Nazaré. 27 Foi a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José, que era descendente de Davi. E o nome da virgem era Maria. 28 O anjo entrou onde ela estava, e disse: «Alegre-se, cheia de graça! O Senhor está com você!» 29 Ouvindo isso, Maria ficou preocupada, e perguntava a si mesma o que a saudação queria dizer. 30 O anjo disse: «Não tenha medo, Maria, porque você encontrou graça diante de Deus. 31 Eis que você vai ficar grávida, terá um filho, e dará a ele o nome de Jesus. 32 Ele será grande, e será chamado Filho do Altíssimo. E o Senhor dará a ele o trono de seu pai Davi, 33 e ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó. E o seu reino não terá fim.» 34 Maria perguntou ao anjo: «Como vai acontecer isso, se não vivo com nenhum homem?» 35 O anjo respondeu: «O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a cobrirá com sua sombra. Por isso, o Santo que vai nascer de você será chamado Filho de Deus. 36 Olhe a sua parenta Isabel: apesar da sua velhice, ela concebeu um filho. Aquela que era considerada estéril, já faz seis meses que está grávida. 37 Para Deus nada é impossível.» 38 Maria disse: «Eis a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra.» E o anjo a deixou.

* 26-38: Maria é outra representante da comunidade dos pobres que esperam pela libertação. Dela nasce Jesus Messias, o Filho de Deus. O fato de Maria conceber sem ainda estar morando com José indica que o nascimento do Messias é obra da intervenção de Deus. Aquele que vai iniciar nova história surge dentro da história de maneira totalmente nova.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Evangelho do dia - 24.03.2011

Lc 16,19-31
O rico e o pobre
 
-* 19 «Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho fino, e dava banquete todos os dias. 20 E um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, que estava caído à porta do rico. 21 Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E ainda vinham os cachorros lamber-lhe as feridas. 22 Aconteceu que o pobre morreu, e os anjos o levaram para junto de Abraão. Morreu também o rico, e foi enterrado. 23 No inferno, em meio aos tormentos, o rico levantou os olhos, e viu de longe Abraão, com Lázaro a seu lado. 24 Então o rico gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque este fogo me atormenta’. 25 Mas Abraão respondeu: ‘Lembre-se, filho: você recebeu seus bens durante a vida, enquanto Lázaro recebeu males. Agora, porém, ele encontra consolo aqui, e você é atormentado. 26 Além disso, há um grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, nunca poderia passar daqui para junto de vocês, nem os daí poderiam atravessar até nós’. 27 O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa de meu pai, 28 porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não acabem também eles vindo para este lugar de tormento’. 29 Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os profetas: que os escutem!’ 30 O rico insistiu: ‘Não, pai Abraão! Se um dos mortos for até eles, eles vão se converter’. 31 Mas Abraão lhe disse: ‘Se eles não escutam a Moisés e aos profetas, mesmo que um dos mortos ressuscite, eles não ficarão convencidos’.»

* 19-31: A parábola é uma crítica à sociedade classista, onde o rico vive na abundância e no luxo, enquanto o pobre morre na miséria. O problema é o isolamento e afastamento em que o rico vive, mantendo um abismo de separação que o pobre não consegue transpor. Para quebrar esse isolamento, o rico precisa se converter. Nada o levará a essa conversão, se ele não for capaz de abrir o coração para a palavra de Deus, o que o leva a voltar-se para o pobre. Assim, mais do que explicação da vida no além, a parábola é exigência de profunda transformação social, para criar uma sociedade onde haja partilha de bens entre todos.

segunda-feira, 21 de março de 2011

33º Capítulo - Carta de Convocação




CARTA DE CONVOCAÇÃO

Aos Caríssimos membros do Conselho Nacional, membros efetivos do Conselho Fiscal, Ministros, Vice-Ministros Regionais, Assistentes Espirituais Nacionais e das Regiões da OFS do Brasil:

PAZ E BEM

Com fundamento no artigo 12 do Estatuto Nacional, ficam obrigatoriamente convocados os membros dos respectivos Conselhos acima indicado, nos termos e para os fins indicados na cópia publicada do Edital em anexo, fixado na Sede da Fraternidade Nacional, instalada na cidade do Rio de Janeiro.

Conforme o disposto no artigo 9.°, incisos I e II, os convocados deverão comparecer a XXXIII Assembléia Geral Ordinária ou Capítulo Nacional Intermediário de Avaliação, a realizar-se de 25 a 27 de março de 2011, no seguinte endereço: Colégio Regina Coeli, Rua Conde de Bonfim, 1305 - Rio de Janeiro - RJ - 20530-001 – tel: (0xx)21 2288-7847, cujo tema será: "Nossa Regra é nossa vida" e lema: "Revendo os passos dados".

Evangelho do dia - 21.03.2011

 
Lc 6,36-38
Só Deus pode julgar
 
36 Sejam misericordiosos, como também o Pai de vocês é misericordioso.» * 37 «Não julguem, e vocês não serão julgados; não condenem, e não serão condenados; perdoem, e serão perdoados. 38 Dêem, e será dado a vocês; colocarão nos braços de vocês uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante. Porque a mesma medida que vocês usarem para os outros, será usada para vocês.»

* 27-36: A vida em sociedade é feita de relacionamentos de interesses e reciprocidade, que geram lucro, poder e prestígio. O Evangelho revoluciona o campo das relações humanas, mostrando que, numa sociedade justa e fraterna, as relações devem ser gratuitas, à semelhança do amor misericordioso do Pai.
* 37-42: Cf. nota em Mt 7,1-5. Lucas salienta que as relações numa sociedade nova não devem ser de julgamento e condenação, mas de perdão e dom. Só Deus pode julgar.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Evangelho do dia - 17.03.2011

Mt 7, 7-12
Confiança no Pai 
 
-* 7 «Peçam, e lhes será dado! Procurem, e encontrarão! Batam, e abrirão a porta para vocês! 8 Pois todo aquele que pede, recebe; quem procura, acha; e a quem bate, a porta será aberta. 9 Quem de vocês dá ao filho uma pedra, quando ele pede um pão? 10 Ou lhe dá uma cobra, quando ele pede um peixe? 11 Se vocês, que são maus, sabem dar coisas boas a seus filhos, quanto mais o Pai de vocês que está no céu dará coisas boas aos que lhe pedirem.»

A regra de ouro -
* 12 «Tudo o que vocês desejam que os outros façam a vocês, façam vocês também a eles. Pois nisso consistem a Lei e os Profetas.»

* 7-11: A oração é a expressão da nossa relação com Deus como o único absoluto (cf. Mt 6,5-7). Aqui se abre uma nova perspectiva: essa relação deve ser de confiança e intimidade como a de um filho para com o seu pai.
* 12: No tempo de Jesus, «Lei e Profetas» indicava todo o Antigo Testamento. Esta «regra de ouro» convida-nos a ter para com os outros a mesma preocupação que temos espontaneamente para com nós mesmos. Não se trata de visão calculista - dar para receber -, mas de uma compreensão do que seja o amor do Pai.

terça-feira, 15 de março de 2011

Palavras do Ministro Nacional - Março e Abril 2011

Caros irmãos e irmãs,

No período de 25 a 27 de março, na cidade do Rio de Janeiro, toda a Fraternidade Nacional, representada por seus Ministros e Vice-Ministros Regionais, Assistentes Espirituais, conjuntamente com o Conselho Nacional, reunida em Capítulo, avalia a caminhada como Família Franciscana Secular, verificando os passos dados e projetando o futuro dos franciscanos seculares do Brasil.

Em vista disso, desejo continuar a refletir com você sobre nossa Regra, ressaltando o sentido de Família, que ela nos dá nos artigos de 01 a 03.

"E cada uma ame e nutra seu irmão, como a mãe ama e nutre seu filho" (cf. 1 Ts 2, 7) - com estas palavras, nosso Pai Seráfico São Francisco nos exorta, comparando a vida em Fraternidade com a família consanguínea, exemplificando como deve ser o nosso amor, uns pelos outros. Mas, se na família de sangue, nos amamos pelo grau de parentesco, muito mais, devemos nos amar na família espiritual, querida por nós, pela vocação recebido do Senhor.

Realmente, somo família espiritual suscitada na Igreja pelo Espírito Santo - tanto como Família Franciscana, abrangendo todas as Ordens e Congregações, quanto como Família Franciscana Secular.

Infelizmente, nossa visão de família é muito deturpada e pequena. Hoje, tal comparação é desgastada pela realidade em que vivem as famílias. Muitos se referem a ela como uma instituição fracassada, esquecendo que a família é constituída de seres humanos. Não se tratando, assim, do fracasso da instituição familiar, mas dos seres humanos que perderam o sentido de família, renegando os valores cristãos, sociais e humanos. Deram as costas ao amor que é paciente, caridoso, não invejoso, não orgulhoso, não arrogante, não escandaloso, não interesseiro, não irritado, não rancoroso, não injusto, mas verdadeiro e que tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta (cf. 1 Cor 13, 4-7). Ou ainda, como diz São Paulo aos Romanos 12, 1-2: "Eu vos exorto pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito". O amor é vínculo da perfeição e alicerce do carisma de todos os membros do Povo de Deus, leigos, religiosos e sacerdotes, que se sentem chamados ao seguimento do Cristo, à maneira de São Francisco de Assis.

Como Família Franciscana: Frades da Ordem Primeira, Irmãs da Ordem Segunda, Irmãos e Irmãs da Ordem Franciscana Secular e JUFRFA, devemos buscar a recíproca comunhão vital, visando tornar presente, tanto na vida e na missão da Igreja, como no mundo, os valores da vida franciscana. Mais que as palavras, nosso exemplo é que conta, encoraja, atrai, arrasta.

Especificamente, como Família Franciscana Secular, somos chamados a perceber que, apesar de estarmos em muitas Fraternidades locais, somos um só corpo, fator primordial para compreendermos o valor de sermos franciscanos(as) seculares, vivendo no século - no mundo - sem sermos secularizados.

Outro fator é que somos uma família acolhedora, pois da nossa família podem participar todos os fiéis católicos - pessoas que vivem plenamente a comunhão com a Igreja e que dela fazem parte.

Pela vocação que o Espírito Santo nos dá, somos chamados atingir a perfeição da caridade, ou seja, a prática da vivência do Evangelho, onde quer que estejamos: Fraternidade, família, Igreja, lazer, trabalho, estudos, etc. Lembremo-nos qe, espontaneamente, professamos, consagrando-nos a Deus, a Igreja e a Ordem. Foi o sinal exterior da vontade de viver plenamente a Regra - medula do Evangelho - que a Igreja confirmou, dando-nos um modo seguro de salvação, para nós e para o mundo.

Finalizando, creio que percebemos que não bastas sabermos que somos família franciscana. É preciso querermos viver como família, nos esforçando, com dedicação amorosa; vendo em nossos irmãos o rosto de Jesus, que se fez um de nós, sendo nosso Irmão; buscando viver como nos ensina São Paulo sobre o sentido do amor (já mencionado acima); dando ao mundo exemplos de vida cristã-franciscana autêntica, a começar pelo ambiente de nossas Fraternidades, participando, responsável e conscientemente, do espírito de conversão e comunhão que nela deve existir.

Neste início de quaresma, coloquemos, como motivação de conversão, a vivência autêntica do amor fraterno em nossas Fraternidades e em todos os lugares. Vivamos a Paixão e Morte do Senhor como exemplo de despojamento e entrega total ao seu Reino. Cheguemos que, se com Ele morremos, teremos vida plena.

Um bom exercício quaresmal e feliz santa Páscoa do Senhor e nossa.

Antônio Benedito de Jesus da Silva Bitencourt OFS, Ministro Nacional

Evangelho do dia - 15.03.2011

 
Mt 6,7-15
O «Pai nosso» 
 
-* 7 «Quando vocês rezarem, não usem muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por causa do seu palavreado. 8 Não sejam como eles, pois o Pai de vocês sabe do que é que vocês precisam, ainda antes que vocês façam o pedido.
9 Vocês devem rezar assim: Pai nosso, que estás no céu, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. 11 Dá-nos hoje o pão nosso de cada dia. 12 Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. 13 E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.
14 De fato, se vocês perdoarem aos homens os males que eles fizeram, o Pai de vocês que está no céu também perdoará a vocês. 15 Mas, se vocês não perdoarem aos homens, o Pai de vocês também não perdoará os males que vocês tiverem feito.»

* 7-15: Mateus aproveita o tema da oração para inserir aqui o Pai-nosso (cf. Lc 11,1-4), contrapondo a oração cristã à oração dos fariseus e dos pagãos. O Pai-nosso mostra a simplicidade e intimidade do homem com Deus. Na primeira parte, pede-se que Deus manifeste o seu projeto de salvação; na segunda, pede-se o essencial para que o homem possa viver segundo o projeto de Deus: pão para o sustento, bom relacionamento com os irmãos e perseverança até o fim.

Quaresma, Paulo e Francisco de Assis



Quaresma, Francisco e Paulo


Francisco foi em dia de carnaval, ao lago de Perusa, à casa de um discípulo seu, onde passou a noite, foi inspirado por Deus para observar aquela Quaresma em uma ilha do lago de Perusa.

Francisco pediu ao discípulo que o levasse em sua barquinha a uma ilha do lago, onde não habitasse ninguém, e isto fizesse na noite de Quarta-feira de Cinzas sem que nenhuma pessoa o percebesse. Francisco só levou consigo dois pãezinhos.

E, chegando à ilha, Francisco lhe rogou por favor que não revelasse a quem quer que fosse a sua permanência na ilha e só o fosse procurar na Quinta-feira Santa; e assim o discípulo voltou para casa.

E Francisco ficou sozinho: e ali não havendo habitação em que ficasse, entrou num bosque muito copado, no qual muitos espinheiros e arbustos se reuniam a modo de uma cabana ou de uma cova, e naquele lugar se pôs em oração e a contemplar as coisas celestiais.

E ali passou toda a Quaresma sem comer nem beber, além da metade de um daqueles pãezinhos, conforme o que encontrou o seu discípulo na Quinta-feira Santa, quando o foi procurar: o qual achou dois pãezinhos, um inteiro e outro pela metade.

E depois, naquele lugar, onde Francisco fizera tão maravilhosa abstinência, realizou Deus muitos milagres; pela qual coisa começaram os homens a edificar casas e habitá-las; e em pouco tempo construiu-se um bom e grande castelo e houve um convento de frades, o qual se chama o convento da Ilha; e ainda os homens e mulheres daquela aldeia têm grande reverência por aquele lugar, onde Francisco passou a sua Quaresma. (Baseado no I Fioretti de São Francisco de Assis. Capitulo 07. Editora Vozes-1985-Pg. 29-30).

Mas o que é Quaresma?

A primeira Campanha de Oração da Igreja primitiva foi chamada de Quaresma. Eram quarenta dias de oração e jejum pela santificação da igreja e das vidas que iriam ser batizadas no domingo da Páscoa. Era uma caminhada de luta e oração. A quaresma começa com a quarta-feira de cinzas e termina na semana Santa. Era um período de consagração e Luta espiritual. Era uma campanha de Oração de conversão e pelo arrependimento. Era uma luta contra a carne e contra as forças espirituais do mal.

Todo cristão vive em guerra espiritual. Existem forças malignas orientadas pelo diabo para atacar e contra-atacar o cristão. Nesta guerra não podemos lutar isolados. Necessitamos da igreja e da Unidade Cristã na nesta Luta Espiritual. Esta é a orientação de Paulo aos filipenses. É sobre este assunto que iremos refletir, lendo Filipenses 1.27-30.

I. Temos uma meta

Paulo diz que os cristãos tem um projeto de vida. O projeto é viver a cima de tudo por modo digno do evangelho (27).

O Evangelho de Cristo apresenta normas de vida e conduta. O cristão vive como o Evangelho descreve. Devemos viver de modo digno do Evangelho de Cristo. Nosso lema é: Amar a deus sobre todas as coisas e o próximo como a nos mesmos. Cumprindo esta máxima do Evangelho, seremos discípulos fiéis e preparados.

Você tem conseguido viver de modo digno do Evangelho?

II. Temos um progresso para alcançar

Para que soubesse que os filipenses estavam progredindo espiritualmente, Paulo exigiu três posturas (27):

Firmes em um só espírito: Nosso espírito é o Espírito de Cristo. É o Espírito de expressar Cristo pela nossa unidade.

Com uma só alma: Nosso ânimo é um só. Agradar a Deus. Glorificar o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Não temos outra intenção.

Lutando juntos pela fé evangélica: A fé evangélica é levar vidas Cristo. Esta é a nossa meta. Lutamos para levar vidas à fé em Cristo.

Nosso símbolo de Unidade é a Igreja. Não podemos deixar o altar de Deus e a Santa Ceia. Nossa unidade gera a vitória que necessitamos e faz com que progredimos na fé.

Você tem progredido na fé?

III. Temos um combate pela frente

Paulo pede para que os filipenses em nada estivessem intimidados pelos adversários (28).

Existem adversários: O mundo, o diabo e a carne. Mas não podemos andar intimidades e com medo.

Não precisamos ficar com vergonha da fé evangélica diante do mundo e dos adversários. O que os adversários entendem como perdição e loucura, para nós é salvação da parte de Deus.

Ser discípulo de Jesus é salvação e felicidade. Para o mundo é prisão e fanatismo. O mundo não consegue enxergar a liberdade que temos em Cristo.

Neste combate espiritual poderemos sofrer muito com as perseguições, chacotas e retaliações. Mas Paulo diz que temos a graça de sofrer por Cristo, e não somente de crer nele (29).

Os filipenses tiveram um grande consolo: O combate dos filipenses era o mesmo combate de Paulo (30). Estavam sofrendo com o apóstolo pelo progresso do Evangelho.

Você tem sofrido como crente?

Conclusão:

Somos livres e abençoados, mas precisamos perseverar na Unidade. A Igreja é a nossa maior marca de unidade cristã. Não importam nossas diferenças, temos um só espírito, uma só alma e uma só luta. Lutamos para salvar as pessoas da morte e do inferno. Lutamos para dar dignidade e salvação a todas as pessoas. Não desistimos das pessoas. Cremos na obra de Deus. Cremos no Encontro com Deus. Cremos que no Senhor, as pessoas são salvas e transformadas. Louvado seja o Senhor.

Como Francisco, devemos reservar os dias da Quaresma para orar pelas conversões e pela santificação da Igreja de Cristo na face da terra. 
 
Fonte: Blog Brasil Franciscano

segunda-feira, 14 de março de 2011

Palavras do Ministro Nacional - Janeiro 2011

Caros irmãos e irmãs, Paz e Bem!

"Vamos começar a servir a Deus, meus irmãos, porque até agora fizemos pouco ou nada" (1 Cel, 103).

Creio que nada melhor para nós, neste início de ano, do que pensarmos em recomeçar. Digo, para o franciscano, tal iniciativa não se constitui em algo extraordinário, mas faz parte do ser franciscano que sempre quer deixar-se conduzir pelo Senhor, à maneira de São Francisco de Assis, retornando cada dia, de novo ao caminho iniciado, em nome do Senhor.
Basicamente, em 1 Celano, 103, assim encotramos: "Embora o santo pai já fosse diante de Deus um homem consumado na graça e brilhasse por suas obras entre os homens deste mundo, estava sempre pensando em empreender coisas mais perfeitas (...) propunha-se a fazer grandes coisas sob a orientação de Cristo". Pela herança, deixada por Francisco, devemos recomeçar; convertemo-nos a cada dia - como irmãos e irmãs da penitência; reavivar o dom da vocação franciscana recebida do Senhor; o apostolado de comunicar aos outros o Evangelho pelo exemplo e pela palavra; a ser mais atuanetes e participativos como Fraternidade unida em Cristo.
Certamente, base sólida é nossa REGRA.Ela, como "medula do Evangelho" (Paulo VI) e como síntese da vida franciscana, é base segura para motivar o nosso recomeço de vida consagrada ao Reino de Deus. Fonte donde se deve beber todos os dias. Alimento saudável para dar forças. Segurança de se estar trilhando o caminho certo.
Recomeçar a ler, estudar, meditar, tirar conclusões, confrontar nossas atitudes atuais, amar nossa Regra e, também, nossas Constituições Gerais, será nossa meta neste ano de 2011. Até mesmo o Capítulo Nacional do Brasil, que será celebrado em março de 2011, no Rio de Janeiro, terá como nosso tema: "NOSSA REGRA É NOSSA VIDA" e o lema: "Revendo os Passos Dados".
De forma individual, ou mesmo comunitária nas Fraternidades, busquemos nos aprofundar naquilo que é nosso. Foi a Regra, em sua totalidade, que professamos. E é a sua vivência que nos levará ao encontro com Deus, pela transformação do Espírito Santo, por Cristo e em Cristo.
"E todo aquele que isto observar, seja repleto no céu da bênção do Altíssimo Pai e seja na terra cumulado com a bênção do seu dileto Filho, juntamente com o Santíssimo Espírito Paráclito".
Cada irmão e irmã deverão, a cada dia, organizar seu momento de leitura, estudo e oração da Regra. Os Ministros locais deverão buscar, incentivar os demais nesta prática. Juntos, como Família Franciscana Secular, unida nesta grande corrente de vivência da Regra, como prática assumida para toda a vida, não só faremos em 2011 no Capítulo Ordinário Avaliativo Nacional, mas sempre estaremos confrontando e dirigindo nossos passos pela ótica de nossa REGRA.
Amemos, valorizemos, vivamos nossa Regra de vida. É a própria Igreja, através do Breve Apostólico "SERAPHICUS PATRIARCHA" do Papa Paulo VI que nos garante: "Alegremo-nos, portanto, porque o carisma franciscano conserva vigor, ainda hoje, para o bem da Igreja e da comunidade humana, apesar do serpejar de doutrinas acomodatícias e do crescimento de tendências que afastam os homens de Deus e das coisas sobrenaturais (...) Dessa maneira, nós, confiando que a forma de vida pregada por aquele admirável homem de Assis, receberá um novo impulso e florescerá com vigor... aprovamos e confirmamos, com nossa apostólica autoridade, em virtude dessas letras, a Regra da Ordem Franciscana secular e ljer acrescentamos o vigor da sanção apostólica... estabelecemos, finalmente, que estas letras permaneçam firmes e atinjam plenamente seus efeitos, agora e no futuro..."
Sejamos firmes no propósito que nos levou a abraçar a vocação franciscana secular.
Em louvor de Cristo!

Antonio Benedito de Jesus da Silva Bitencourt, OFS, Ministro Nacional

Evangelho do dia - 143.03.2011


Mt 25, 31-46
O juízo final

 
-* 31 «Quando o Filho do Homem vier na sua glória, acompanhado de todos os anjos, então se assentará em seu trono glorioso. 32 Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. 33 E colocará as ovelhas à sua direita, e os cabritos à sua esquerda. 34 Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham vocês, que são abençoados por meu Pai. Recebam como herança o Reino que meu Pai lhes preparou desde a criação do mundo. 35 Pois eu estava com fome, e vocês me deram de comer; eu estava com sede, e me deram de beber; eu era estrangeiro, e me receberam em sua casa; 36 eu estava sem roupa, e me vestiram; eu estava doente, e cuidaram de mim; eu estava na prisão, e vocês foram me visitar’. 37 Então os justos lhe perguntarão: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber? 38 Quando foi que te vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos? 39 Quando foi que te vimos doente ou preso, e fomos te visitar?’ 40 Então o Rei lhes responderá: ‘Eu garanto a vocês: todas as vezes que vocês fizeram isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizeram.’
41 Depois o Rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Afastem-se de mim, malditos. Vão para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. 42 Porque eu estava com fome, e vocês não me deram de comer; eu estava com sede, e não me deram de beber; 43 eu era estrangeiro, e vocês não me receberam em casa; eu estava sem roupa, e não me vestiram; eu estava doente e na prisão, e vocês não me foram visitar’. 44 Também estes responderão: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome, ou com sede, como estrangeiro, ou sem roupa, doente ou preso, e não te servimos?’ 45 Então o Rei responderá a esses: ‘Eu garanto a vocês: todas as vezes que vocês não fizeram isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizeram’. 46 Portanto, estes irão para o castigo eterno, enquanto os justos irão para a vida eterna.»

* 31-46: Esta é a única cena dos Evangelhos que mostra qual será o conteúdo do juízo final. Os homens vão ser julgados pela fé que tiveram em Jesus. Fé que significa reconhecimento e compromisso com a pessoa concreta de Jesus. Porém, onde está Jesus? Está identificado com os pobres e oprimidos, marginalizados por uma sociedade baseada na riqueza e no poder. Por isso, o julgamento será sobre a realização ou não de uma prática de justiça em favor da libertação dos pobres e oprimidos. Esta é a prática central da fé, desde o início apresentado por Mateus como o cerne de toda a atividade de Jesus: «cumprir toda a justiça» (3,15). É a condição para participar da vida do Reino.

Evangelho do dia - 13.03.2011

Mc 5
Jesus supera as tentações
 

-* 1 Então o Espírito conduziu Jesus ao deserto, para ser tentado pelo diabo. 2 Jesus jejuou durante quarenta dias e quarenta noites, e, depois disso, sentiu fome. 3 Então, o tentador se aproximou e disse a Jesus: «Se tu és Filho de Deus, manda que essas pedras se tornem pães!» 4 Mas Jesus respondeu: «A Escritura diz: ‘Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus.’ «
5 Então o diabo o levou à Cidade Santa, colocou-o na parte mais alta do Templo. 6 E lhe disse: «Se tu és Filho de Deus, joga-te para baixo! Porque a Escritura diz: ‘Deus ordenará aos seus anjos a teu respeito, e eles te levarão nas mãos, para que não tropeces em nenhuma pedra.’ « 7 Jesus respondeu-lhe: «A Escritura também diz: ‘Não tente o Senhor seu Deus.’ «
8 O diabo tornou a levar Jesus, agora para um monte muito alto. Mostrou-lhe todos os reinos do mundo e suas riquezas. 9 E lhe disse: «Eu te darei tudo isso, se te ajoelhares diante de mim, para me adorar.» 10 Jesus disse-lhe: «Vá embora, Satanás, porque a Escritura diz: ‘Você adorará ao Senhor seu Deus e somente a ele servirá.’ «
11 Então o diabo o deixou. E os anjos de Deus se aproximaram e serviram a Jesus.

* 4,1-11: Cf. nota em Mc 1,12-13. Mateus pormenoriza, salientando três tentações. Nelas, Jesus é tentado de falsificar a própria missão, realizando uma atividade que só busque satisfazer às necessidades imediatas, buscar o prestígio e ambicionar o poder e as riquezas. Jesus, porém, resiste a essas tentações. Seu projeto de justiça é transformar as estruturas segundo a vontade de Deus (palavra que sai da boca de Deus), não pondo Deus a seu próprio serviço ou interesse (Não tente o Senhor seu Deus), e não absolutizando coisas que geram opressão e exploração sobre os homens, criando ídolos (Você adorará ao Senhor seu Deus...).

sexta-feira, 11 de março de 2011

Evangelho do dia - 11.03.2011

Mt 9, 14-15
Jesus provoca ruptura

* 14 Então os discípulos de João se aproximaram de Jesus, e perguntaram: «Nós e os fariseus fazemos jejum. Por que os teus discípulos não fazem jejum?» 15 Jesus respondeu: «Vocês acham que os convidados de um casamento podem estar de luto, enquanto o noivo está com eles? Mas chegarão dias em que o noivo será tirado do meio deles. Aí então eles vão jejuar.

* 14-17: Cf. nota em Mc 2,18-22. Jesus veio substituir o sistema da Lei, rigidamente seguido pelos fariseus. A justiça que vem da misericórdia abre as portas do Reino para todos.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Evangelho do dia - 10.03.2011

Lc 9,22-25
Renunciar a si mesmo e às glórias do poder e da riqueza.


22 E acrescentou: «O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos chefes dos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto, e ressuscitar no terceiro dia.» 23 Depois Jesus disse a todos: «Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e me siga. 24 Pois, quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas, quem perde a sua vida por causa de mim, esse a salvará. 25 De fato, que adianta um homem ganhar o mundo inteiro, se perde e destrói a si mesmo?

* 18-27: Não basta declarar e aceitar que Jesus é o Messias; é preciso rever a idéia a respeito do Messias, o qual, para construir a nova história, enfrenta os que não querem transformações. Por isso, ele vai sofrer, ser rejeitado e morto. Sua ressurreição será a sua vitória. E quem quiser acompanhar Jesus na sua ação messiânica e participar da sua vitória, terá que percorrer caminho semelhante: renunciar a si mesmo e às glórias do poder e da riqueza.

terça-feira, 8 de março de 2011

Dia Internacional da Mulher - Irmão Juarez




Dia Internacional da Mulher. Mulher Santa. Mulher Mãe. Mulher Esposa.
Mulher viga mestra da família. Feliz de quem pode beijar no dia da mulher a
sua Santa Mãe.

Dia Internacional da Mulher. Alguém já afirmou que: “a maior prova da
existência de Deus é que só Ele seria capaz de construir, na Sua Santa
Sabedoria, a figura da MÃE MULHER”. “Mãe é a mais bela obra de Deus” disse
Almeida Garrett.

“O futuro dos filhos é obra da mãe” afirmou Napoleão. Sem mãe filhos
perdidos e sociedade doente.

Quando a mulher passa a ser apenas matéria, a sociedade corre perigo. Se
em MARIA encontramos o símbolo da grandeza da Mulher Santa a história
mostra a desgraça de civilizações que desapareceram quando passaram a
adorar a mulher estampa. Quando as MESSALINAS, as ALEXANDRIAS, as
POMPADOUR, as DE BARRY dominam a sociedade, o país adoece gravemente.
Num programa de televisão, a sogra de um apresentador de passistas de
Escola de Samba disse: ” Para o ano não venham mostrar as sua bundas ao meu
Genro. ” “ A mulher é espírito.” A mulher é o encanto da vida.

A mulher, no Brasil, não esta sendo levada para ser como as Messalinas da
vida? Seus predicados físicos mostrados nos salões e até em reuniões
políticas indicam LICENCIOSIDADE ou LIBERDADE?

Quando a sociedade deixa de se ajoelhar e amar a Santa Mulher encontra-se
perto de sofrer um desastre.

Quando a sociedade julga a mulher por suas medidas materiais e não por
suas Santas virtudes, a família entra em colapso.

Cuidado Brasil: A família brasileira está sendo destruída e por isso não
esqueçam:

“A mulher é o Altar e perante o Altar nós nos ajoelhamos”, escreveu o
grande poeta francês Victor Hugo. E ele, na sua grandeza de poeta, escreveu
esta ode que encanta o espírito:
 
O homem é a águia que voa. Voar é dominar o espaço
A mulher, o rouxinol que canta. Cantar é dominar a alma,

O homem tem um farol: a consciência. O farol guia
A mulher tem uma estrela: a esperança. A esperança salva.
Enfim, o homem está colocado onde termina a terra.
A mulher, onde começa o céu!!!

E na Bíblia encontramos:
“A mulher honesta é graça primorosa, e não há medida que determine o valor
da alma casta. Como o sol que se levanta nas alturas do Senhor, assim o
encanto da boa esposa na casa bem ordenada”. Eclesiástico 15,16-26

MULHER VOCÊ É O ROUXINOL QUE CANTA, DOMINA AS ALMAS, É A ESPERANÇA QUE
SALVA E VOCÊ ESTÁ MAIS PERTO DE DEUS. MULHER VOCÊ É GRACIOSA E O SOL DA
VIDA.

FELICIDADE MULHER SANTA E SANTA MÃE
OFERECEMOS AS NOSSAS QUERIDAS CORRESPONDENTES PENSAMENTOS DE GRANDES
MULHERES:
“EU SOU AQUELA MULHER QUE FEZ A ESCALADA DA MONTANHA DA VIDA REMOVENDO
PEDRAS E PLANTANDO FLORES”.
CORA CORALINA, POETISA

“HÁ DOIS TIPOS DE PESSOAS: AS QUE FAZEM AS COISAS E AS QUE FICAM COM OS
LOUROS. PROCURE FICAR NO PRIMEIRO GRUPO: HÁ MENOS COMPETIÇÃO LÁ”.
INDIRA GANDHI, ESTADISTA

“APRENDI COM AS PRIMAVERAS A ME DEIXAR CORTAR E VOLTAR INTEIRA”.
CECÍLIA MEIRELES, POETISA

“AMOR É COMO MERCÚRIO NA MÃO. DEIXE A MÃO ABERTA E ELE PERMANECERÁ;
AGARRE-O FIRME E ELE ESCAPARÁ”.
DOROTHY PARKER, ESCRITORA

“VOCÊ NÃO PODE ESCOLHER COMO VAI MORRER OU QUANDO. VOCÊ SÓ PODE DECIDIR
COMO VIVER PARA QUE NÃO TENHA SIDO EM VÃO. ”
JOAN BAEZ, CANTORA

“DAI-ME, SENHOR, A PERSEVERANÇA DAS ONDAS DO MAR, QUE FAZEM DE CADA RECUO
UM PONTO DE PARTIDA PARA UM NOVO AVANÇO”.
GABRIELA MISTRAL, POETISA

NÃO TENHO TEMPO DE DESFRALDAR OUTRA BANDEIRA QUE NÃO SEJA A DA COMPREENSÃO,
DO ENCONTRO E DO ENTENDIMENTO ENTRE AS PESSOAS”.
ELIS REGINA, CANTORA

“QUANDO NADA É CERTO, TUDO É POSSÍVEL”.
MARGARETH DRABBLE, ESCRITORA

“QUEM NÃO SABE CHORAR DE TODO O CORAÇÃO TAMBÉM NÃO SABE RIR”.
GOLDA MEIR, ESTADISTA

“NADA NA VIDA DEVE SER TEMIDO, SOMENTE COMPREENDIDO. AGORA É HORA DE
COMPREENDER MAIS PARA TEMER MENOS”.
MARIE CURIE, FÍSICA

“QUANDO PRECISAR QUE ALGO SEJA DITO, CHAME UM HOMEM. QUANDO QUISER QUE ALGO
SEJA FEITO, CHAME UMA MULHER. ”
MARGARETH THATCHER, ESTADISTA

“VAMOS! CORRA A FAZER ALGUMA OBRA DE CARIDADE!”
SANTA TEREZINHA, QUANDO NOTAVA
TRISTEZA NALGUM SEMELHANTE

“RI ALEGREMENTE E O MUNDO RIRÁ CONTIGO; CHORA E CHORARÁS SOZINHO. ESTA
VELHA E BOA TERRA PRECISA PEDIR EMPRESTADA QUALQUER ALEGRIA, PORQUANTO JÁ
TEM ABORRECIMENTOS DE SOBRA.”
ELLA WILCOX, POETISA

“AMOR NÃO TEM NADA A VER COM O QUE ESPERAS CONSEGUIR, APENAS COM O QUE
ESPERAS DAR; QUER DIZER, TUDO.”
KATHARINE HEPBURN

“O FANÁTICO É UM HOMEM COM OS DOIS PÉS PLANTADOS FIRMEMENTE NAS NUVENS.”
ELEANOR ROOSEVELT

“QUANDO UMA PORTA DA FELICIDADE SE FECHA, OUTRA SE ABRE. MUITAS VEZES
FICAMOS TANTO TEMPO OLHANDO PARA A PORTA FECHADA QUE NÃO VEMOS A QUE SE
ABRIU. ”
HELEN KELLER,

“O FUTURO NÃO NOS TRAZ NEM NOS DÁ NADA. NÓS É QUE, PARA CONSTRUÍ-LO,
DEVEMOS DAR-LHE TUDO”.
SIMONE WEIL, FILÓSOFA E ATIVISTA

“NÃO DEVEMOS PERMITIR QUE ALGUÉM SE AFASTE DE NÓS SEM SENTIR-SE MELHOR E
MAIS FELIZ.”
MADRE TERESA DE CALCUTÁ



(COMPILAÇÃO) Juarez