Fraternidade São Francisco de Assis

Fraternidade de São Francisco de Assis

Rua Costa Ferraz, 38, Rio Comprido, RJ
Tel: 2273-9761 / 2273-8387
e-mail: ofs.riocomprido@hotmail.com

Erigida Canonicamente em 1º de julho de 1967



Nossos encontros fraternos acontecem nos 2º e 4º domingos do mês, de 08:30 às 12:00 horas. Nos reunimos em nossa Sede após a Missa das 08:30 nos 2º domingos e nos 4º domingos nos reunimos em nossa Sede às 08:30 e às 11 horas temos a Santa Missa.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

CARTA ABERTA A UM MINISTRO


Bem querido (a) irmão(a) ministro (a),

Paz e todos os bens!


Dirijo esta cara aberta a cada ministro (a) da OFS. Penso, de modo particular,  nos ministros e ministras locais. A ideia e o título me vieram como a Carta a um Ministro de Francisco de Assis. Sei perfeitamente que você não age sozinho, mas sempre em união com o Conselho de sua Fraternidade. É assim que deve ser.  Reconheço, no entanto, a sua importância no seio da Fraternidade local.  Você foi escolhido pelos irmãos para estar à frente de todos. Seu exemplo e seu entusiasmo pela Ordem é fundamental. Todos devem poder olhar para você buscando novo estímulo para viver a santidade. Você sabe também que pode pouco. Lembre-se sempre do conselho evangélico:  fazer tudo o que deve ser feito e considerar-se servo inútil. Ou, então, aquela outra máxima: fazer  o que deve ser feito, como se tudo dependesse de você, mas sabendo que tudo depende de Deus. A Ordem não é sua. É do Senhor.

Uma das maiores e mais preciosas riquezas da Ordem Franciscana Secular são as fraternidades locais concretas que são confiadas ao seu zelo.  Irmãos e irmãs aí vivem e, de alguma forma, decidem sua vida presente e a eternidade no seio desses espaços que chamamos tão belamente de fraternidades.  Você não administra em primeiro lugar bens, coisas materiais, mas alimenta vidas humanas tocadas por Cristo e desejosas de seguirem  o Mestre  à maneira de Francisco de Assis.
  1.  Você não tem o título de  superior, diretor ou presidente. Seu título de honra é ser irmão (ã) ministro (a).  Você é aquele que serve.  Durante três anos a sua Fraternidade ocupará um lugar importante na organização de sua vida e no emprego de seu tempo.  Gostaria de lembrar alguns tópicos da Regra e das Constituições a respeito de sua função de lavar os pés dos irmãos.

  2. O ministro sabe que “seu serviço, que é temporário, é um cargo de disponibilidade e de responsabilidade em favor de cada indivíduo e dos grupos” (Regra n.21).  Duas palavras chaves:  disponibilidade e responsabilidade, virtudes eminentemente evangélicas.

  3. De maneira muito feliz e sintética, as Constituições Gerais falam assim de sua tarefa: “O cargo de Ministro ou de Conselheiro é um serviço fraterno, um compromisso de se tornar disponível e responsável para cada irmão e para a Fraternidade, a fim de que cada um  se realize na própria vocação e cada Fraternidade seja uma verdadeira comunidade eclesial franciscana, ativamente presente na Igreja e na sociedade”  (Art 31, 2).  Preste bem atenção ao que você acaba de ler.

  4. Sim,  ser ministro não é um cargo honorífico, mas de serviço.  Já disse.  Você recebe, durante um tempo, a graça de poder se esquecer de seu mundo e se dedicar de fato a pessoas que você costuma designar de irmãos e de irmãs.  Na dedicação sincera a todos  vai sendo gerado e alimentado o amor fraterno. Você haverá de estar atento às pessoas tomadas individualmente.  Ninguém poderá dizer que não tenha merecido  seu olhar e sua atenção. Mas cuidado! As pessoas sabem quando alguma coisa nasce no coração do ministro, ou simplesmente quando ele faz  ou diz por obrigação.

  5. As Constituições Gerais  elencam uma série de qualidades do Ministro que devem estar presentes em sua gestão: “Os responsáveis pela OFS em cada nível sejam irmãos professos perpétuos, convencidos do valor da  vida evangélica franciscana, atentos, com visão larga e generosa à vida da Igreja e da sociedade, abertos ao diálogo, disponíveis para dar e receber ajuda e colaboração” (Art 31, 2). Gostaria que você e seu Conselho refletissem sobre estes pontos:  você precisa acreditar na Ordem, vestir a camisa, os irmãos nunca poderão pensar que você perdeu o gás e faz coisas por fazer; precisa abrir-se às grandes necessidades da Igreja e do mundo, abrir-se ao diálogo. Quanta coisa:  mundo da indiferença, do consumismo, do legalismo, do devocionalismo sem engajamentos, das confusões da linha do gênero, do ser pai, ser mãe...  É assim que você pode efetuar o trabalho de lavar os pés dos irmãos... no seu triênio de ministro.   Você prestou atenção que as  Constituições falam de uma visão ampla e generosa.  Por detrás disto está o espirito de criar o novo.  Estou convencido que muitos não entram na OFS porque tudo é estático, seco, sem vida, sem amanhã... Ninguém gosta de frequentar espaços sem viço...

  6. E você,  com seu Conselho, vão preparar da melhor maneira as reuniões, difundirão ânimo e vida fraterna, criando o novo nas reuniões e motivando a todos a se engajarem na vida apostólica (cf. CCGG 31,4).

  7. Gostaria de chamar atenção para a questão do acompanhamento da Fraternidade. Esse é um aspecto fundamental. Ninguém pode faltar a uma reunião, sem motivo. A presença de todos é sinal de senso de pertença. A ausência regular e os pedidos de afastamento devem questioná-lo (a).  O amor não pode ser fingido.  Leia com o seu Conselho muitas vezes 1Coríntios 13, 1-13. Há manifestações de amor no jeito de acolher, no respeito pelas pessoas, no sigilo a ser guardado, na visita aos doentes, na busca dos afastados,  no evitar juízos precipitados, no fato de não se comentar nada a respeito dos irmãos.  Nunca será uma Fraternidade fechada, um ninho quente, um refúgio de pessoas sem coragem.  Você cuidará disso.

  8. Fique atento para que certos irmãos não “inventem” pertenças desnecessárias a outros grupamentos. De repente, sem formação adequada, eles passam a borboletear de flor em flor e não serão pessoas cristãmente  realizadas.  Cuide também que os ditos irmãos não venham a se engajar demais na pastoral em detrimento sério da construção da fraternidade.

  9. Procure sondar se houve ou há ressentimentos.  Converse com o Assistente sobre o assunto.  Lute quanto puder para extirpar essa erva daninha do ressentimento que corrói os relacionamentos em nossas Fraternidades que, infelizmente, podem ser espaços de competição e de inveja. Os irmãos precisam se perdoar...  Escrevo isso, mas sei quanto é difícil.

  10. Espero que você esteja convencido (a) da importância de cada irmão. Não entro nos pormenores.  Ninguém pode ser esquecido, menosprezado, discriminado. Há dotes e talentos que os irmãos e irmãs ainda não revelaram . Procure descobri-los. É sua missão olhar com atenção  “os irmãos que Deus lhe deu”.  Sua Fraternidade se enriquecerá quando  puder contar com a colaboração criativa de todos.  Não me canso de dizer: nossa riqueza são nossas Fraternidades.  A credibilidade da OFS depende da qualidade da vida fraterna.  Um documento de orientação de vida dos franciscanos seculares franceses, anterior à Regra de Paulo VI, assim se exprimia: “Todo homem é um dom do Senhor. Queremos reconhecer em cada um deles um irmão e nós mesmos pretendemos agir como irmãos. Haveremos de nos dirigir a todos os homens sem nos deixar desviar por considerações de raça, classe, ambiente social, poder econômico, ideologia, cultura, religião ou moral. Recusamos condenar e fazer julgamentos maldosos e ultrapassar todas as classificações nas quais o homens costumam se fechar uns aos outros.  Haveremos de manifestar respeito por todos os homens. Acolher-los-emos. Prestaremos atenção às suas necessidades e expectativas.  Queremos trocar idéias com todos e com todos partilhar.  Prestando serviço aos irmãos  haveremos de nos mostrar alegres e despretensiosos.  Queremos amá-los não em palavras, mas por meio de atos, persuadidos que somente o amor é fonte de felicidade e de salvação, para eles e para nós”.

  11. Sua  Fraternidade precisa ser ativa.  Sei que os idosos podem pouco, mas podem um pouco.  A Igreja precisa dos irmãos e das irmãs.  Fomos chamados a restaurar o tecido esgarçado da Igreja,  a reconstruir a Igreja. Que os irmãos não “ingressem” de qualquer jeito em pastorais. Devem fazê-lo, mas com competência e de maneira aberta, evangelicamente abertos.  Que ninguém dos nossos irmãos são retrógrados, ultrapassados, carolas, piegas....Não estou defendendo aqui uma adaptação ilegítima aos tempos, mas tenho certeza que o Espirito está levando a Igreja e a pastoral para novas direções.  Deus nos livre que os franciscanos seculares atravanquem a renovação...

  12. Estou convencido que você já está fazendo o que agora sugiro: reze todos os dias  pelos seus irmãos, seja um dezena do terço, seja uma parte do ofício franciscano.  Ofereça a Deus sacrifício pelos irmãos.  Queria lhe pedir uma coisa, se fosse possível:  participe todos os dias da Missa.

  13. Se de um lado os irmãos farão, sob sua orientação, experiência de fraternidade, também farão uma experiência de Deus. Queria lhe pedir com todo carinho: não deixe que os retiros sejam meros encontros, sem silêncio, sem profundidade, sem dimensão de interioridade.  Não queremos Fraternidades compostas por pessoas  superficiais.  A experiência de Deus se faz também através de dias ou de noites de recolhimento sem muita papelada, sem muito barulho, sem muitos gritos estridentes. O Senhor costuma falar na brisa suave.  Atente para isso.

  14. Não desanime diante da fragilidade e do pecado do irmão. Leia com calma a Carta a um ministro:“Nisto reconhecerei que amas realmente o Senhor e a mim, servo dele e teu, se fizeres o seguinte: não haja irmão no mundo, mesmo que tenha pecado a não poder mais, que, após ver os teus olhos, se sinta talvez obrigado a sair de tua presença sem ter obtido misericórdia se  misericórdia buscou”.

  15. Fiquei sabendo de uma Fraternidade, cujos irmãos passando pelas ruas, andam recolhendo trapos humanos e tratando-os com todo carinho.  Alguns deles começaram a participar de reuniões da  Fraternidade e hoje são simpatizantes. Em breve esses restos humanos  sentir-se-ão inseridos no cortejo dos penitentes franciscanos e serão pessoa gratas para sempre.

  16. Faça tudo como as Constituições e Orientações nacionais ditam. Não negligencie nada... mas, juntamente com o seu Conselho e sua Fraternidade, invente o novo, sem demora:  encontros para discutir os grandes problemas de hoje, grupos de oração do tipo das oficinas de oração,  presença aberta no mundo.  Não se esqueça que o Espirito  quer que você e sua Fraternidade escrevam uma página nova.

  17. Vou terminando.  Muitos mais queria lhe dizer.  Há mais dez anos venho me ocupando da OFS em nível regional (Rio e São Paulo) e em plano nacional e penso que as palavras que escrevi podem ser úteis a você, querido irmão ministro, querida irmã ministra.  Gostaria de terminar essa carta com um texto de João Paulo II, em mensagem dirigida aos capuchinhos italianos por ocasião de Capítulo das Esteiras, 29 de outubro de 2003.  É um texto que fala da minoridade franciscana.  Outros preferem a expressão minorismo franciscano:  “A minoridade comporta um coração livre,  desprendido, humilde, manso e simples, como Jesus nos propôs e como Francisco o viveu; exige uma total renúncia de si mesmo e uma plena disponibilidade para Deus e para os irmãos. A “minoridade vivida expressa uma força desarmada e desarmante da dimensão espiritual da Igreja e do mundo. E não somente isso! A verdadeira minoridade liberta o coração e torna-o disponível para o amor fraterno, cada vez mais autêntico, e que se dilata em uma ampla constelação de comportamentos típicos. Favorece, por exemplo, um estilo caracterizado pelas atitudes de simplicidade e sinceridade, de espontaneidade e concretude, de humildade e de alegria, de abnegação e disponibilidade, de proximidade e de serviço, especialmente com relação ao povo e às pessoas mais pequeninas e necessitadas”.  Você,  meu caro (a) ministro (a) será muito feliz em sua missão deixando-se impregnar desse espírito.
Um grande abraço, toda a estima e todos os  bens
(*) Frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM
 
Assistente Nacional da OFS pela OFM e Assistente Regional do Sudeste III

Nenhum comentário:

Postar um comentário